9º dia de greve afeta serviços e aumenta o desabastecimento da região



 

Tamanho da fonte    




O protesto dos caminhoneiros entra no 9º dia e os postos em todas as cidades da região do Caparaó permanecem sem combustíveis nesta terça-feira, 29/05. Em Manhuaçu, não há previsão para chegada de combustível que acabou na última quinta-feira, 24/05.
 
Não há previsão para normalização do abastecimento. O combustível que chega à região vem de caminhão e sai da bases de distribuição, que fica em Belo Horizonte.
 
Segundo a Polícia Rodoviária Federal, os caminhoneiros seguem parados nos pátios de postos e outros lotes em Realeza (BRs 262 e 116) e em Ibatiba (ES), na 262.
 
O protesto ocorre de forma pacífica e o trânsito não está bloqueado porque os caminhoneiros estão às margens da rodovia. No entanto, os motoristas não seguem com o transporte.
 
Em manifestações nas cidades e em Realeza, cidadãos têm apoiado o movimento dos caminhoneiros.
 
SERVIÇOS PREJUDICADOS
 
As aulas nas escolas municipais permanecem suspensas até a próxima semana. Na rede particular, também não haverá aula. Na rede estadual, as aulas foram canceladas desde a sexta-feira (25) e permanecem nesta semana.
 
As faculdades também adotaram a mesma postura e só irão voltar a funcionar no dia 4. As vans que fazem o transporte escolar também não estão circulando.
 
O transporte coletivo urbano e intermunicipal está com a frota reduzida, operando com a escala de horários limitada desde a sexta-feira passada. É preciso ligar para as empresas para verificar se haverá veículo circulando.
 
Serviços de limpeza e coleta de lixo em Manhuaçu ainda estão sendo mantidos, mas a tendência é cortar o atendimento a distritos e bairros.
 
Repartições públicas estaduais estão fechadas. Algumas prefeituras já decretaram estado de emergência e estão priorizando ambulâncias.
 
O Hospital César Leite restringiu os atendimentos para emergências e urgências e suspendeu as cirurgias eletivas e estágios.
 
O abastecimento de produtos em supermercados está sendo afetado. A principal preocupação é com a falta de alimentos perecíveis, como verduras, legumes, frutas, carnes e derivados de leite.
 
Devido à greve alguns tipos de carnes e legumes não estão sendo encontrados mais. Ovos e leite longa vida também acabaram em alguns locais.













}