Suspensão das aulas no anexo da Escola Monsenhor Gonzales gera confusão



 

Tamanho da fonte    




Por determinação da Superintência Regional de Ensino, a direção da Escola Estadual Monsenhor Gonzales suspendeu, temporariamente, as aulas do anexo que funciona na Rua Leandro Gonçalves, No 8, no prédio do antigo Free Box. A decisão foi tomada na tarde desta quarta-feira (ontem), depois a Superintendente Patrícia Fialho comunicou à diretora da escola, Márcia Vitor, que, imediatamente liberou os alunos e comunicou a alguns pais que se encontravam no local.

De acordo a Superintendente Regional de Ensino, Patrícia Fialho, uma denúncia chegou ao Ministério Público, de que o prédio não estava oferecendo segurança, principalmente depois que o proprietário do imóvel decidiu instalar um elevador. Devido a preocupação dos pais, o engenheiro da Superintência fez uma vistoria no imóvel e, em seguida deu parecer no sentido de que medidas de segurança deveriam ser tomadas, tais como a instalação de rede nas áreas abertas,melhoria no acabamento dos banheiros e instalação de proteção em toda a área do refeitório. Também foi pedido ao proprietário, o projeto assinado pelo engenheiro responsável, projeto arquitetônico, Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), e a placa da obra(CREA), para que a direção pudesse expor para os pais as condições do imóvel. "Infelizmente, o proprietário não apresentou o que foi exigido pelo nosso engenheiro. Em contato com a Secretaria de Estado de Educação e, para melhor segurança, decidimos suspender as aulas até que consigamos um outro local ideal e seguro", explica Patrícia Fialho.

Assim que ficaram sabendo da suspensão das aulas, alguns pais ficaram revoltados, outros procuraram a Superintendência Regional de Ensino para questionarem o que iriam fazer diante da situação. A superintendente da SRE, Patrícia Fialho explicou aos pais que a decisão só foi tomada para garantir segurança e tranquilidade, a fim de preservar a integridade física dos alunos e professores. Disse ainda que, a diretora Márcia Vitor está tomando todas as providências para conseguir outro local, que abrigue as crianças.

Patrícia Fialho ressalta também que os pais não precisam ficar temerosos quanto aos dias que os filhos vão ficar aguardando para o retorno às aulas. E, caso demore para conseguir outro espaço, a reposição das aulas será feita de forma que os alunos não sofrerão nenhum prejuízo.

Para que todos entendam o que levou a Superintendência Regional de Ensino a tomar essa atitude, uma assembléia será realizada nesta quinta-feira, às 17h00, na Escola Estadual Monsenhor Gonzales, a fim de esclarecimento sobre a situação, posicionamento dos órgãos que receberam a denúncia feita por pais de alunos e, a atitude de suspender as aulas e o que está feito por parte da direção da escola.

Eduardo Satil