Anjo Guardião: Grupo leva alimentos e a palavra de Deus para os necessitados



 

Tamanho da fonte    




Levar alimento para os moradores de rua, viciados em drogas e prostitutas e principalmente levar a Palavra de Deus, o amor ao próximo e a esperança de uma vida melhor. Estas são as metas do Projeto Anjo Guardião que é formado por diversos moradores de Manhuaçu.

Todos os domingos o grupo se reúne a partir das 18h30 na residência dos Coordenadores do Projeto, Helder Reis e Elaine Reis, onde são preparadas as quentinhas e feitas as orações. "As 20h30 saímos em missão, cerca de 25 pessoas, as vezes mais, levando as quentinhas e a esperança em Deus, de um mundo melhor a estes nossos irmãos", contou Helder.

"Hoje distribuímos cerca de 35 quentinhas por noite. Através deste projeto, conseguimos também, passagens para alguns irmãos que não são de Manhuaçu e precisam retornar para suas origens. Também distribuímos roupas, cobertores, calçados, agasalhos, tudo isto doado pelos irmãos", acrescentou o coordenador Helder.

Casal que foi ajudado com passagens para Belo Horizonte (foto: Arquivo Pessoal)

A missão trabalha com doações. "Não temos vínculo político nenhum, vivemos do amor dos servos (voluntários) e de pessoas abençoadas que acreditam na causa nobre deste projeto", ressaltou Helder.

O Projeto Anjo Guardião é do Grupo de Oração Aliança Eterna que pertence ao movimento da Renovação Carismática Católica, Paróquia de São Lourenço.

Servos do projeto (foto: Arquivo Pessoal)

Como começou

Momento de oração com os irmãos de rua (foto: Arquivo Pessoal)"Em Junho de 2013, encontrávamos num chá de bebê da esposa do nosso irmão de caminhada.  Estávamos comendo uma bela canjiquinha. No final, havia sobrado, era mais ou menos 22h00 e tínhamos já uma vontade de servir os irmãos de rua, resolvemos então pegar aquele alimento e fomos para a rua e foi uma benção", contou Helder.

"Começamos com um caldo, hoje em dia, fazemos marmitex (quentinha) como dizemos, com cardápio simples, mas feito com muito amor. Acompanhado com um copo de suco", finalizou o coordenador.

(foto: Arquivo Pessoal)

Geilson Dangelo














}