Aprovados no Coffee Valley se reúnem pela primeira vez nasede da incubadora



 

Tamanho da fonte    




Na última terça-feira, dia 07/11, os integrantes das quatro startups que foram aprovadaspara o primeiro edital se encontraram na sede do Coffee Valley eparticiparam de um bate-papo informal, inaugurando o espaço com muito otimismo e descontração, trocando experiências e compartilhando suas expectativas a respeito de seus projetos para 2018.
 
Com ideias voltadas para as áreas de educação, saúde e alimentos, os projetos dos estudantes serão desenvolvidos ao longo de um ano, e seus idealizadores receberão mentoriase consultorias, treinamentos na forma de workshops e palestras, além de networking com empreendedores, investidores e demaiscomunidades de startup.
 
O termo startup é usado para designar uma empresa nova, até mesmo embrionária ou ainda em fase de constituição que tem projetos promissores nas áreas de pesquisa e investigação e desenvolvimento de ideias inovadoras, cujo modelo de negócio é repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza.
 
Assim como as equipes ingressantes no Coffee Valley, muitas startups iniciaram suas respectivas jornadas no ambiente universitário, como o Facebook, Google e Instagram. Durante o ensino superior, os alunos encontram-se mais abertos e dispostos a colocarem suas ideias em prática, fazendo da graduação o momento ideal para dar início às atividades empreendedoras.
 
De acordo com a Revista Exame (25/05/17), somente 6% dos estudantes do ensino superior são empreendedores, e 30% afirmam que não têm interesse em empreender por nunca terem pensado nessa possibilidade de acordo com a pesquisa “Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras”, realizada pela Endeavor e pelo Sebrae, no ano de 2016. Além disso, apenas 28% afirmam terem cursado alguma disciplina relacionadas ao empreendedorismo, de acordo com as fontes anteriores.
 
A educação empreendedora estimula o trabalho colaborativo multidisciplinar, aprimora as habilidade de comunicação, tornando o estudante em um profissional que é capaz de compreender os problemas e propor soluções sustentáveis que podem ser implementadas com excelência.
 
Além das universidades, entidades públicas como o Sebrae e entidades privadas como o Y Combinator investem na formação empreendedora dos estudantes do ensino superior, prestando consultorias e financiando o desenvolvimento das startups.
 
Startups como Dropbox, Airbnb, Reddit e Twitch foram desenvolvidas com o apoio do Y Combinator, que desde 2005 contribui para a fundação de cerca de 1400 startups ao redor do mundo.
 
Atualmente, no Brasil, o estado de Minas Gerais é pólo de tecnologia, inovação e empreendedorismo, considerado o 2º maior ecossistema de startups do país,possuindo mais de 20 incubadoras em 16 cidades, atrás apenas de São Paulo.
 
E é seguindo essa tendência que, visando tornar Manhuaçu no maior hub de startups e inovação do interior de Minas Gerais, o Coffee Valley irá estimular a capacidade empreendedora, gerando riqueza e empregos para a comunidade da FACIG e região de Manhuaçu.
 
Assessoria de Imprensa













}