As grandes competições de várzea sobrevivem no Bairro Matinha



 

Tamanho da fonte    




Uma final que coroou a competição. Uma decisão digna de duas equipes que carregam na sua essência a vontade de ganhar. Um momento marcante para o “futebol raiz” de Manhuaçu, que teve poeira levantando e organização de primeira. Assim pode ser definida a partida de encerramento da 1ª Copa Terrão no Bairro Matinha.
 
Um torneio que foi disputado por 12 equipes, divididas em quatro grupos, sobressaindo Fúria Negra e Barreiro que fizeram a final. Esse confronto aconteceu no último domingo, 26, e reuniu vários torcedores. O dia contou com outras atrações e uma partida de muitos gols e bastante disputa.
 
Melhor para o Fúria Negra que balançou as redes por seis vezes com gols de Ícaro “Cabeça” (2), Lucas “Obina” (2), Abraão (1) e Rangel (1). Para o Barreiro, que marcou cinco vezes, descontaram Maxsuell (2), Geovanin (2) e Hítalo (1). Festa para o Fúria Negra que se sagrou campeão e justificou sua bela campanha em toda a competição.
 
Premiação
 
Após o apito final da arbitragem, a festa continuou com a premiação dos destaques. Bruno Dias, organizador da 1ª Copa Terrão-Matinha 2017, fez um discurso de agradecimento e lembrou-se de todos que foram importantes para esta realização, convidando alguns para participar da entrega dos troféus e das medalhas.
 
O Fúria Negra, claro, teve mais destaque. Além do belíssimo troféu de campeão, o time ganhou um jogo de camisas novinho, carne para fazer um belo churrasco, e teve ainda Rogerinho como melhor jogador da decisão e Ícaro “Cabeça” artilheiro com 13 gols marcados. O goleiro menos vazado foi Lucas do Mengão de Minas. Ele sofreu apenas seis gols durante todo o campeonato.
 
Os números da 1ª Copa Terrão foram surpreendentes. Durante os 19 jogos, todos disputados em seis domingos, os artilheiros balançaram as redes 127 vezes, o que deu a alta média de 6,6 gols por partida.
 
Outro número importante é o de torcedores que prestigiaram todo campeonato. Apesar da limitação de espaço do lugar, que fica na parte mais alta do Bairro Matinha, a galera compareceu em bom número. Esse sucesso todo explica a paixão do Manhuaçuense pelo futebol de várzea. Basta à bola rolar nas comunidades que a animação fica completa. A Matinha provou isso, mais uma vez.
 
O compeonato foi organizado por Bruno Dias e Davidson Andrade.
 
Diário de Manhuaçu













}