Câmara de Manhuaçu cobra o reinício das obras do Minha Casa, Minha Vida



 

Tamanho da fonte    




Representantes da Caixa estiveram novamente na Câmara Municipal e garantiram que as obras do programa Minha Casa, Minha Vida em Manhuaçu serão retomadas em até sessenta dias.  Foi a segunda reunião promovida pelo Presidente Maurício Júnior para cobrar uma solução para a novela que se tornou a construção de casas no antigo terreno do Clube do Sol.

Em outubro, a Câmara Municipal promoveu encontro com o mesmo objetivo, mas apesar das promessas de solução, não houve avanços e tudo continua paralisado. Durante o encontro, o gerente geral Flávio Celestino explicou que a proposta inicial não foi à frente. As construtoras não se interessaram em dar continuidade à obra por questões de lucratividade do negócio.

“Estivemos com os representantes da Prefeitura Municipal e eles devem encaminhar um novo chamamento público para empresas interessadas. Para garantir que haverá interesse das empreiteiras, além dos 288 apartamentos serão incluídas outras 240 unidades. O projeto com 528 moradias será financeiramente bom para as construtoras”, anunciou Flávio Celestino, ao lado do gerente Pedro Paulo Assumpção.

O Presidente Maurício Júnior reiterou a preocupação e a cobrança da comunidade por conta da demora no projeto. “Temos um déficit habitacional muito grande e a população está sendo a mais prejudicada com esse impasse.

Enquanto muitas cidades estão entregando casas para as famílias, em Manhuaçu o programa não anda. A Câmara está cobrando providências, especialmente por que o terreno foi doado para essa finalidade”, afirmou.

Além de Maurício Júnior, os vereadores Jorge Augusto Pereira, Gilson César, Aponísia dos Reis, Paulo Altino, Francisco de Assis Dutra e Juninho Linhares estiveram na reunião e reforçaram a cobrança do Legislativo.

Situada no local conhecido como “Clube do Sol”, a obra começou a ser erguida no início de 2013, mas antes da metade do ano já estava paralisada.

Incentivo

O Presidente Maurício Júnior ainda lamentou que os benefícios de isenção de ISS (Imposto sobre Serviços) demoraram em ser concedidos e acabaram prejudicando a construtora de Manhuaçu que executava a obra. “Desde o início do atual mandato cobramos do prefeito que enviasse o projeto de lei para a Câmara, a fim de conceder essa isenção. Isso acontece justamente por que é um programa social do governo e todos os municípios fizeram. Infelizmente, o projeto só veio depois que tudo estava perdido. Em dezembro, a Câmara aprovou, mas a empreiteira Alfa já não tinha como continuar no projeto”, criticou.
(foto: Assessoria de Comunicação)

Para o presidente da Câmara, Maurício Júnior, o impasse ainda prejudicou a economia local. “Agora o benefício que poderia ser de uma empreiteira de Manhuaçu, fatalmente irá para uma de fora. Era só terem concedido essa medida antes, como sempre cobramos”, afirmou.
(foto: Assessoria de Comunicação)

Segundo ficou definido na reunião, houve o compromisso da Prefeitura de Manhuaçu com a Caixa de abrir um novo chamamento público em poucos dias. Cumpridos os prazos legais, a escolha de uma nova empreiteira e o reinício das obras deve demorar no máximo sessenta dias.

Assessoria de Comunicação














}