Cavaleiros seguem para o Rio Grande do Sul



 

Tamanho da fonte    




Uma nova aventura começa para vinte cavaleiros da região: a 2ª Grande Cavalgada. Desta vez, o destino é Passo Fundo (RS). A comitiva saiu da cidade de Espera Feliz, nesta segunda-feira, 04, e percorrerá um trajeto de mais de dois mil quilômetros até o Sul do Brasil. Residente em Manhuaçu, o empresário Amílcar Pacheco é um dos cavaleiros integrantes desta jornada especial.

No ano de 1999, Amílcar e outros sete amigos realizaram a 1ª Grande Cavalgada, partindo de Espera Feliz rumo à Humaitá, no Amazonas. Na ocasião, foram mais de quatro mil quilômetros percorridos na expedição. “Durante a viagem, enquanto estávamos na cidade de Nova Lacerda, no Mato Grosso, combinamos de realizar outra cavalgada, no ano de 2012, com destino ao Rio Grande do Sul. No entanto, um de nossos companheiros, o organizador destas cavalgadas, o Antônio Xavier teve problemas de saúde no ano passado, e, decidimos então remarcar para este ano”, relatou Amilcar Pacheco.

Em sua visita à Câmara de Vereadores, Amílcar Pacheco comentou sobre a viagem, mencionou o trajeto a ser percorrido e, feliz, despediu-se dos vereadores que se encontravam presentes. O Presidente Maurício de Oliveira Júnior parabenizou Amílcar Pacheco por sua força de vontade, um verdadeiro exemplo para as novas gerações.  

Partida

Na noite deste domingo, 03, os cavaleiros participaram de Santa Missa de Ação de Graças, na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, em Espera Feliz. A partida dos vinte cavaleiros ocorreu por volta das 7h00 desta segunda-feira, naquela cidade.

Em 1999, cavaleiros da região realizaram a 1ª Grande Cavalgada, partindo de Espera Feliz para o Amazonas. Amílcar Pacheco integrou a equipe (foto: Thomaz Júnior)O percurso deverá ter duração de 72 dias. “A cavalgada conta com participantes das cidades vizinhas e do Estado do Rio de Janeiro. Cada cavaleiro levará dois animais. Considero isto um lazer, um esporte rural, que é cansativo, mas que traz uma recompensa maravilhosa. Então, acredito que seremos muito felizes nesta cavalgada. Na viagem para o Amazonas, percorríamos uma média de 45 km por dia. Nesta viagem para o Rio Grande do Sul, queremos percorrer 35 km por dia, para uma viagem mais confortável. É algo que não deixa de ser um sacrifício para uma pessoa de 82 anos, mas é tão gratificante a lembrança destes amigos que tudo se torna maravilhoso. Eu estou satisfeito”, concluiu Amílcar Pacheco.

Cavalgadas e o Clube do Cavalo

As cavalgadas na região possuem uma história interessante que envolve inclusive a fundação do conhecido Clube do Cavalo em Manhuaçu. Amilcar Pacheco foi um dos fundadores e o primeiro presidente da entidade. “Toda vida sempre fui apaixonado com cavalos, mas sem nenhuma noção. Fui um rapaz criado na roça, vivendo em situação difícil, depois, fui para o comércio. Após alguns anos, resolvi lidar com cavalos. Logo após comprar meu primeiro animal, fiz amizade com o Glauco Macedo, e, este foi meu padrinho neste sentido. Foi ele que me orientou em tudo, com um conhecimento muito grande e nos entusiasmou a fundarmos aqui o Clube do Cavalo. Tivemos o apoio de grandes pessoas como Professor Sylas Heringer, Albertão e outros mais que nos deram apoio muito grande, e, então fundamos o clube. O Glauco foi o segundo presidente da entidade, sempre dando incentivo, nos ajudando, e mais tarde, me senti entusiasmado em ver como deu certo. A região cresceu bastante. Hoje, temos animais de nível elevado e criadores de grande porte, como é o caso do Dr. Marcos, consolidando um esporte de categoria na região. As cavalgadas abrangem adultos, crianças e senhoras de Manhuaçu e todas as cidades vizinhas. Então, fico feliz de ter encontrado um esporte para mim e encontrar pessoas que compartilham este mesmo objetivo que tenho. Isto é gratificante”, relatou Amílcar.

Thomaz Júnior














}