Centro de Referência de Assistência Social inicia atividades e aposta na socialização



 

Tamanho da fonte    




Com o objetivo de assegurar espaços de convívio familiar, comunitário e estreitar o relacionamento, o Centro de Referência de Assistência Social e a Secretaria Municipal do Trabalho e do Desenvolvimento Social iniciaram as atividades de oficinas, em  vários bairros  e também em  várias escolas. A ação é do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, que consiste nas atividades em grupos para que, os participantes possam ter desenvolvimento de relações de afetividade, sociabilidade, valorização  da cultura familiar, comunidades locais pelo resgate de suas culturas. Os oficineiros também  desenvolvem o sentimento de identidade, a fim de promover a socialização e convivência.

As crianças aprendem com facilidade as atividades (foto: Eduardo Satil)De acordo com a técnica de referência, Silvana Cláudia Moreira, através do trabalho desenvolvido, o programa visa à criação de espaços de reflexão sobre o papel das famílias na proteção de seus membros, o estímulo e orientação dos usuários na construção e reconstrução de suas histórias, vivências individuais e coletivas, troca de conhecimento e o incentivo à participação comunitária. “Nas primeiras semanas, a equipe do CRAS foi muito bem recebida. Em todas as escolas, entidades onde o  projeto está sendo trabalho é possível perceber a mudança de concepção das pessoas e, o entusiasmo de cada um em redescobrir algo novo”,ressalta Silvana Cláudia.

As oficinas também visam a oferta de atividades de convivência e socialização, com intervenções no contexto de vulnerabilidade social, de modo a fortalecer vínculos e prevenir situações de exclusão, risco social e o resgate  da autoestima.

Atividades trabalhadas com exatidão

As oficinas oferecidas pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos compreendem a capoeira, artesanato (Biscuit, Recicláveis, Bordado, Pintura e Madeira), música, fanfarra, capoeira, informática, desenho, dança de salão. Alem das oficinas, uma equipe com um técnico de referência (Silvana Claudia Moreira), orientadores sociais (Eva Lúcia de Oliveira e Luziana Corina Pacheco de Oliveira) e das facilitadoras sociais (Amaraline Aparecida Caldeira Dutra Brandão e Audiléia Alves de Souza), orientam  e conversam sobre vários aspectos sociais como o combate à violência e abuso sexual contra a criança e adolescente, combate às drogas, informação sobre cidadania, respeito aos idosos, inclusão social, utilidades publicas, saúde, higiene e outros assuntos abordados no cronograma.

Na quadra e no asilo: todos têm a sensação de  um novo dia (foto: Eduardo Satil)Para Silvana Cláudia Moreira, o desafio de todos os profissionais que trabalham no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo – SCFV- é o de valorizar as experiências e as vivências dos jovens, facilitando sua reflexão e construindo com eles saberes importantes para as questões do cotidiano e, as formas propositivas de enfrentamento dos problemas. As escolas/bairros  atendidos  pelas oficinas são o CAIC, Escola Estadual São Vicente de Paulo, Escola Estadual Renato Gusman, Escola Maria de Lucca Pinto Coelho,Escola Municipal Petrina, Escola Estadual Cordovil Pinto Coelho,João Xavier da Costa, Antônio Wellerson,Associação de Moradores do Bairro Santa Luzia e Associação de Moradores do Bairro Engenho da Serra.

Eduardo Satil














}