Comunidade rural dá exemplo de cidadania



 

Tamanho da fonte    




Um exemplo que deveria ser copiado por todas as comunidades que passam por dificuldades para caminhar e, principalmente quando se fala em educação. Os pais voluntários da comunidade do Barreiro, que fica a dez quilômetros de Manhuaçu, se organizaram, desdobraram e planejaram uma ação conjunta para reformar a escola da comunidade.
 
A ideia de reformar o educandário foi discutida em dezembro, junto com a coordenadora Marilene Rhodes, que, muito entusiasmada não perdeu tempo para o início da obra. A cada final de semana, os pais, funcionários e a coordenadora colocaram a mão na massa para pintar as paredes, colocar cerâmica, desobstruir os ralos para a água escoar com facilidade e, ainda realizaram a limpeza ao redor da Escola Municipal Nossa Senhora das Graças.
 
Segundo a diretora da escola, Marilene Rhodes a iniciativa da comunidade foi fundamental para a organização e a transformação da escola, que está preparada para receber os alunos, que iniciam o ano letivo a partir dessa semana.
 
O recurso para a reforma veio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) vinculado ao Ministério da Educação, que permite somente ao Caixa Escolar movimentar a verba, que deve ser gasta em obra específica. Segundo Marilene Rhodes, desde 2012 o recurso não era utilizado para melhorias na escola, que atualmente tem 40 alunos matriculados.
Os pais voluntários aproveitaram o sábado e domingo, para deixar a escola preparada para receber todos os alunos (foto: Eduardo Satil)
Agora com a nucleação, a Escola Municipal Nossa Senhora das Graças estará recebendo mais 20 alunos, que até o ano passado estudavam na Escola Municipal Moacir Pena (Roça Grande). "Com o esforço dos pais de alunos, com a participação da comunidade será possível garantir um ensino de qualidade para todos os alunos. Aqui, todos participaram da reforma interna da nossa escola, que será um exemplo", diz a coordenadora.
 
Para o pedreiro José Antônio, toda a comunidade ficou motivada para participar do mutirão por entender que, a educação está em primeiro plano. Ele destaca que assim que a coordenadora solicitou  a participação dos pais, todos abraçaram a causa considerada tão nobre. "Temos alunos que moram a dez quilômetros daqui, mas com certeza vão ficar felizes ao chegarem à escola. Está tudo bonito, para dar a eles mais comodidade", comemora José Antônio.
 
Eduardo Satil













}