Educadores participam de seminário em Manhuaçu



 

Tamanho da fonte    




Educadores de toda a região participaram do 2° Seminário do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. O evento, promovido pela Prefeitura de Manhuaçu, através da Secretaria de Educação, foi realizado no salão do Colégio Tiradentes e contou com a presença de professores, diretores e secretários municipais das cidades de Manhuaçu, Simonésia, Santana do Manhuaçu, São José do Mantimento, Ipanema, São João do Manhuaçu, Reduto e Luisburgo, que pertencem à microrregião de Manhuaçu.
 
O prefeito de Manhuaçu, Nailton Heringer, e a secretária de Educação, Gelvânia Câmara Marques, estiveram presentes na abertura do evento. Gelvânia destacou pontos positivos do Seminário. "O pacto pela alfabetização na idade certa firma com o professor a importância de trabalhar com o aluno, preparando-o, através da educação, para toda a vida. Isso é o que chamamos de leitura de um mundo maior".
O encontro teve como principal palestrante a professora Andréa Borges de Medeiros, que é doutora em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Ela abordou tema "Construção de conhecimento e cotidiano escolar: narrativas sobre um trabalho coletivo de escola". Durante todo o dia, outras palestras foram ministradas com os mais variados assuntos pertinentes à educação.
 
Valorização da Educação em Manhuaçu
 
Em Manhuaçu, a Educação é levada á sério. Nas salas de aula, professores têm trabalhado incansavelmente para melhorar o rendimento dos alunos. Prova disso são as constantes melhorias nas notas do Ideb. "Tudo isso graças ao trabalho que realizamos pelo Pacto e também através do Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP). São duas forças que têm somado ao ambiente escolar para que possamos crescer e avançar na educação dos nossos alunos. Entendemos que a educação só continuará progredindo quando somarmos os esforços de todo o corpo docente da escola. Ensinar é um trabalho que precisa ser encarado em conjunto", comentou Gelvânia.
 
Somado aos esforços dos professores, a Prefeitura tem trabalhado para dar dignidade aos educadores e alunos da rede municipal de ensino. No início do ano, uma escola modelo, totalmente moderna, foi entregue à Comunidade de Palmeiras. Ao longo do ano, creches e escolas também foram reformas. Em breve, o próximo educandário a receber reforma é a Escola Municipal São Vicente de Paulo (CAIC). 
 
O Pacto
 
O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados e municípios de assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º ano do ensino fundamental.
 
Aos oito anos de idade, as crianças precisam ter a compreensão do funcionamento do sistema de escrita; o domínio das correspondências grafofônicas, mesmo que dominem poucas convenções ortográficas irregulares e poucas regularidades que exijam conhecimentos morfológicos mais complexos; a fluência de leitura e o domínio de estratégias de compreensão e de produção de textos escritos.
 
No Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, quatro princípios centrais serão considerados ao longo do desenvolvimento do trabalho pedagógico:
 
1. o Sistema de Escrita Alfabética é complexo e exige um ensino sistemático e problematizador;
 
2. o desenvolvimento das capacidades de leitura e de produção de textos ocorre durante todo o processo de escolarização, mas deve ser iniciado logo no início da Educação Básica, garantindo acesso precoce a gêneros discursivos de circulação social e a situações de interação em que as crianças se reconheçam como protagonistas de suas próprias histórias;
 
3. conhecimentos oriundos das diferentes áreas podem e devem ser apropriados pelas crianças, de modo que elas possam ouvir, falar, ler, escrever sobre temas diversos e agir na sociedade;
 
4. a ludicidade e o cuidado com as crianças são condições básicas nos processos de ensino e de aprendizagem.
Dentro dessa visão, a alfabetização é, sem dúvida, uma das prioridades nacionais no contexto atual, pois o professor alfabetizador tem a função de auxiliar na formação para o bom exercício da cidadania. Para exercer sua função de forma plena é preciso ter clareza do que ensina e como ensina. Para isso, não basta ser um reprodutor de métodos que objetivem apenas o domínio de um código linguístico. É preciso ter clareza sobre qual concepção de alfabetização está subjacente à sua prática.
(foto: Secretaria de Comunicação Social de Manhuaçu)
 
(foto: Secretaria de Comunicação Social de Manhuaçu)
Secretaria de Comunicação Social de Manhuaçu













}