Homem é preso acusado de abusar da enteada de 10 anos



 

Tamanho da fonte    




Um homem de 48 anos foi preso nesta semana pela Polícia Civil acusado de abusar sexualmente da enteada, que à época da denúncia - agosto de 2016 - tinha 10 anos, e também de agredir sua companheira que é mãe da menina. O inquérito já está nas mãos da Justiça.
 
O delegado disse que assumiu a investigação após receber a ocorrência quando de plantão na 4ª Delegacia Regional (4ª DRPC), no bairro Safira, no dia 23 de agosto do ano passado. Ele explicou que o suspeito confessou o crime, mas não havia requisitos técnicos para prendê-lo naquele momento, uma vez que os relatos de todos os envolvidos davam conta de que os fatos haviam ocorrido 15 dias antes e, portanto, não se tratava de um flagrante.
 
Rangel Martino detalhou que na sequência pediu a prisão preventiva do suspeito e que a solicitação foi deferida pela Justiça, entretanto, o acusado deixou a cidade e desde então a PC iniciou uma “verdadeira cruzada” à sua procura, levantando informações de que o mesmo se mantinha refugiado entre as cidades de Leopoldina e Laranjal.
 
Já na última quarta-feira, 05/04, a Polícia Civil conseguiu prender o indiciado após o mesmo comparecer à sede da Delegacia Regional de Muriaé, atendendo a uma intimação referente a investigação de desaparecimento, a partir de uma ocorrência registrada pelo pai do suspeito que procurou a polícia, alegando que seu filho estava desaparecido.
 
Rangel Martino esclareceu que o inquérito foi concluído com a apuração de que não houve conjunção carnal entre acusado e vítima, porém, lembrou que o texto atual do Código Penal qualifica como Estupro de Vulnerável, não apenas o chamado coito, como qualquer ato libidinoso com menor de 14 anos.
 
Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos.  Pena - reclusão, de 8 a 15 anos (artigo 217 do CPB).
 
Depoimentos
 
De acordo com o inquérito, a mãe relatou que a filha contou a ela que havia sido abusada pelo padrasto por várias vezes, quando os dois estavam sozinhos em casa. A mulher disse também que ao tentar conversar com o marido sobre o relato da filha foi agredida pelo homem com socos e tapas, afirmando ainda que já havia sido agredida por ele em outras ocasiões.
 
Segundo os autos, em seu depoimento a menina afirmou que o padrasto a espiava durante o banho e que, por mais de uma vez, teria entrado nu no box enquanto ela tomava banho, praticando ali ao abusos sem, contudo, haver “conjunção carnal”. Conforme relato, o homem fez com que ela o masturbasse e praticasse sexo oral com ele. 
 
Ela afirmou que até a data da denúncia, não contou sobre os abusos à sua mãe por medo de que a mesma fosse agredida pelo padrasto. A garota afirmou, porém, que decidiu revelar tudo à sua mãe ao vê-la sendo agredida pelo marido com um tapa no rosto.
 
Consta ainda no inquérito a informação de que uma prima da vítima confirmou a versão da menina, afirmando que ela havia lhe contado com detalhes os abusos sofridos.
 
Já o acusado, afirmou que “por algumas vezes”, a enteada entrou no banheiro enquanto ele tomava banho e que em “duas destas oportunidades” a garota entrou nua no box, sem ser chamada, e também tomou banho, detalhando que uma única vez, ela pediu a ele que a deixasse ensaboar seu órgão genital e que ele não a impediu, ocorrendo assim uma rápida masturbação.
 
O homem está no presídio, à disposição da Justiça.
 
Rádio Muriaé
 
Envie notícias, fotos e vídeos para o nosso WhatsApp (33) 99906-5656













}