Manhuaçu realiza Conferência Regional de Promoção pela Igualdade Racial



 

Tamanho da fonte    




Com o objetivo de reafirmar e ampliar o compromisso governamental e sociedade civil, para a busca de políticas de enfrentamento ao racismo e de promoção da igualdade racial, como sendo fatores primordiais e essenciais à democracia, o Conselho Municipal pela Promoção da Igualdade Racial deu mais um passo importante. A realização da Primeira Conferência Regional, sexta-feira (26) que teve como tema central "Democracia e desenvolvimento sem racismo: por um Brasil afirmativo” foi marcante para o novo conselho eleito na última segunda-feira (22) e, empossado durante o evento pelo prefeito municipal, Nailton Heringer.
 
A partir das discussões com a participação de vários segmentos, o evento teve como princípio norteador, a situação gritante do "preconceito" que ainda está evidente junto à sociedade, que se diz tão igualitária, mas acaba sendo omissa ou, às vezes fecha os olhos diante de um problema grave. E, para frear que casos assim continuem acontecendo, a conferência trabalhou exatamente as questões demandadas, para dar início à elaboração de estratégias para o desenvolvimento e o enfrentamento ao racismo, os avanços obtidos e os desafios a serem enfrentados após dez anos de implementação da Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial.
 
Esse momento foi fundamental para propor recomendações, discutir mecanismos de institucionalização da promoção da igualdade racial, a fim de que seja implantado o Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial.
 
Segundo o presidente do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial, Ronaldo Antônio Pereira da Silva, muitos casos de racismo ainda são registrados, mesmo com a criação de uma legislação própria, que faculta a punição a quem promover tal desrespeito. “Com a criação da Secretaria Estadual para a Promoção pela Igualdade Racial, muitas coisas avançaram. Mas, enquanto a história do negro não for contada na literatura brasileira, as dificuldades continuarão ocorrendo. A nossa história tem ser contada, para que sejamos tratados de forma  igual”, ressalta Ronaldo Antônio.Segundo ele, em agosto o Conselho Estadual estará estudando o diagnóstico de onde está o negro no serviço público em Minas Gerais e o índice de homicídios, tendo como vítimas muitos jovens negros.
 
O presidente do Conselho Municipal de Promoção pela Igualdade Racial, Marco Antônio Cabral, a conferência teve um avanço relevante para a região. Ele avalia que os movimentos, entidades e instituições governamentais e não governamentais, Poder Legislativo participando do evento trouxe mais fortalecimento ao trabalho. 
 
Delegados escolhidos para a Conferência Estadual
 
Os participantes da Conferência discutiram e, ao final elaboraram propostas para que seja realizado um diagnóstico municipal sobre a situação do negro, festival da consciência negra, plano de ação para fortalecimento pela igualdade racial e a criação da coordenadoria de políticas em prol da igualdade racial.
 
Os delegados escolhidos na conferência, Marco Antônio Cabral, Flávio Lacerda e José Geraldo Barbosa Júnior estarão representando a sociedade civil. Maria Celeste Machado e Vera Lúcia Domingues (Setor Governamental) foram eleitos e, estarão representando o município na conferência estadual, que estarão acontecendo em Belo  Horizonte entre os dias 28, 29 e 30 de agosto.
 
Eduardo Satil













}