Médicos solicitam apoio da Prefeitura para atender pacientes do SUS com infarto agudo



 

Tamanho da fonte    




Sensibilizados com a situação, vereadores querem reunião com Prefeito e Secretário de Saúde

Médicos do Hospital César Leite compareceram ao plenário da Câmara Municipal, na sessão ordinária desta quinta-feira (2) para solicitar que a Prefeitura mantenha o repasse de recursos necessários para que os atendimentos às pessoas vítimas de infarto agudo tenham continuidade na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade. Desde o ano passado, este atendimento tem sido disponibilizado aos usuários do SUS a partir da iniciativa de um grupo de médicos do Hospital César Leite. Na ocasião, foi firmado acordo com a Prefeitura, assegurando o atendimento a estes pacientes, enquanto tramita o processo de credenciamento do município junto ao Sistema Único de Saúde. Os vereadores debateram amplamente e questão, e, sensibilizados, solicitaram junto à presidência da Casa Legislativa uma reunião com o Prefeito e o Secretário de Saúde para esclarecimentos sobre a situação. Outras questões como a situação das estradas, a cobrança dos vereadores para que obras e serviços sejam realizados na cidade e nos distritos, além da votação de Projetos de Lei e até mesmo de um veto do Executivo Municipal também caracterizaram esta primeira sessão legislativa do mês. Entre os presentes à reunião, o Provedor do HCL, Dr. Sebastião Onofre de Carvalho, e moradores de Vilanova. 
 
Serviços de Saúde
 
No plenário, acompanhado de outros médicos e representantes da diretoria do Hospital César Leite, o Médico Dr. Walter Pinto Júnior, da Coordenadoria do Setor de Hemodinâmica, explanou sobre o processo de credenciamento de Manhuaçu junto ao Sistema Único de Saúde para que a cidade ofereça em caráter permanente e com recursos específicos do SUS o atendimento aos pacientes que apresentam quadro de infarto agudo. “Nossa vinda à Câmara teve a proposta de sensibilizar o conjunto de vereadores para a necessidade dos pacientes SUS que aportam à UPA Municipal com quadro de doença cardíaca aguda tenham acesso ao cateterismo, mesmo antes que nós tenhamos o credenciamento final do SUS. Trata-se de um interstício, um tempo entre iniciarmos este credenciamento e consegui-lo. Estamos trabalhando neste sentido, mas ainda não temos o credenciamento, então, precisamos deste apoio da Prefeitura de Manhuaçu, da comunidade manhuaçuense. [...] Desde o ano passado, este serviço foi implantado no Hospital César Leite, fruto do sonho de um grupo de profissionais, e está funcionando regularmente. Para populações de convênio como IPSEMG, Banco do Brasil, Plancel, enfim, todos os convênios que tenham pacientes diferenciados têm acesso a este procedimento. No entanto, o paciente mais humilde que chega à UPA com quadro de infarto agudo tem que ser transferido daqui para cidades vizinhas como Muriaé, Ponte Nova ou Belo Horizonte, porque não temos credenciamento SUS, então, estamos solicitando a Prefeitura que nos ajude período, até que consigamos o credenciamento definitivo”, explicou Dr. Walter.     
 
Projetos de Lei aprovados
 
Dez Projetos de Lei foram aprovados nesta sessão legislativa, após as devidas análises das comissões legislativas específicas e do plenário. 
Veto rejeitado
 
O Veto do Executivo Municipal ao Artigo 2º do Projeto de Lei nº 019/2013, relacionado ao prazo de vencimento dos contratos de profissionais na área da Saúde, foi rejeitado pelo plenário por 14 votos a 01. De acordo com o Presidente Maurício Júnior, o resultado desta votação, em caráter secreto, representou o posicionamento firme e independente dos vereadores. “A celeuma acontece em razão do ingresso no serviço público, que hoje se dá por meio de contratações. Isto é exceção. A regra que é o ingresso por meio de concurso público não tem sido cumprida, por governos anteriores e parece que o atual prefeito quer postergar ao máximo. Pois, se não há restrição ao concurso público, não tem razão de ser este veto. Penso ao meu sentir, que a democracia foi elogiada com isto”, considerou Maurício Júnior.
 
Vereadores cobram serviços
Mesa Diretora da Casa Legislativa (foto: Assessoria de Comunicação)
Serviços incompletos e a demora no atendimento aos moradores, por parte da Prefeitura, motivaram a cobrança por parte dos vereadores mais uma vez.
 
Um dos pontos debatidos foi quanto à segurança pública, com a necessidade de maior policiamento nas ruas, em razão das constantes ocorrências de assalto e furto que vem sendo registradas. 
 
O Presidente Maurício Júnior ressaltou a necessidade de haver maior policiamento, além de outras medidas urgentes para a segurança pública. O Vereador João Gonçalves Linhares (Inspetor Linhares) frisou a proximidade do período de colheita do café e a necessidade de um reforço para a segurança no meio rural. 
 
O Vereador Jorge Augusto Pereira (Jorge do Ibéria) solicitou a reimplantação do Pelotão da Polícia Militar e da Patrulha Rural em Realeza. 
 
O Vereador Gilson César da Costa também reforçou a questão da necessidade de policiamento, principalmente nos eventos públicos. Gilson elogiou a força tarefa contra a dengue efetivada em Vilanova, que resultou em um trabalho de limpeza geral de quintais e dos locais de foco do mosquito. O Vereador também comentou sobre a operação tapa-buracos, elogiando o trabalho realizado pela Prefeitura. 
 
O Vice-presidente Cb. Anízio Gonçalves de Souza convidou aos vereadores para a reunião com o Comando do 11º BPM na parte da tarde daquele mesmo dia, na Casa Legislativa, com a proposta de se debater e expor as reivindicações à Polícia Militar. 
 
Outra reclamação dos vereadores foi quanto às situações extremas vivenciadas por cada um, ao ponto de pagar serviços, por conta própria, para que a comunidade fosse atendida em situações de cascalhamento e de retirada de entulho, em razão da demora no atendimento que caberia à Prefeitura. Um dos exemplos recentes ocorreu com o Vereador Hélio Ferreira. “A Prefeitura mandou a máquina para a colocação de saibro nas estradas, mas não havia operador. Foi uma situação difícil porque o serviço estava agendado e os moradores haviam se preparado. Então, precisei pagar com meu dinheiro para que o serviço fosse, de fato, realizado. [...] É estranha uma situação assim, porque, em anos anteriores, nesta época da safra, as estradas estavam em ordem. O transporte escolar e o escoamento da produção do café não ficavam prejudicados”, comentou Hélio Ferreira. 
 
Situações semelhantes também foram relatadas pelos Vereadores Juarez Cleres Elói, Francisco de Oliveira e Jorge do Ibéria, nas comunidades de São Sebastião do Sacramento, Dom Correa e de Vilanova. “O Prefeito precisa ter mais atenção com as comunidades. Recentemente, fiz ofício ao Secretário de Obras solicitando limpeza em Vilanova. Precisei conversar com o empresário Ramon para que nos fornecesse um caminhão para a retirada de entulho e gastar dinheiro do meu bolso para que este serviço ocorresse e a praça fosse limpa”, relatou Jorge do Ibéria. 
“Em Dom Corrêa, uma máquina enviada para fazer serviço de patrolamento não o fez porque não tinha a força suficiente e a comunidade teve que esperar pela obra mais uma vez”, reclamou o Vereador Francisco Oliveira.
 
O Presidente Maurício Júnior e o Vereador Juninho Linhares lembraram mais uma vez a necessidade de melhorias nas estradas e na escola do Barreiro.
 
Linhares reiterou a necessidade do restabelecimento da iluminação pública na BR-262, no trecho entre o 11º BPM e o acesso ao Ginásio Poliesportivo. O Vereador também parabenizou o dinamismo do Presidente Maurício Júnior na condução das atividades da Casa Legislativa.
 
O Vereador Paulo Altino comentou sobre a situação da ex- servidora do SAMAL, Maria das Graças Cunha, que atuava no centro de triagem do lixo, e que fora desligada da autarquia em situação semelhante à da senhora Cleuza Dias de Freitas, recentemente reintegrada ao serviço. Neste contexto, Paulo Altino solicitou do Vice-presidente da Câmara, Cb. Anízio Gonçalves de Souza, o intermédio junto ao Executivo Municipal para que a situação de Maria seja revista. Outra reivindicação de Paulo Altino foi quanto aos banheiros públicos da Praça Cordovil Pinto Coelho, que se encontram interditados para obras de reforma. O Vereador quer que a reforma seja agilizada, em razão das dificuldades pelas quais passam as pessoas que transitam no centro e não têm como utilizar os sanitários. Sobre a Saúde, Paulo Altino entende que o Secretário de Saúde, embora seja Vice-prefeito, tenha dificuldades de acesso com o Prefeito para a efetivação dos serviços e projetos necessários para a Saúde. 
 
Preocupado com a falta de água em vários bairros, o Vereador Fernando Gonçalves Lacerda solicitou da Mesa Diretora a convocação do Diretor do SAAE para prestar esclarecimentos em plenário.
 
A Vereadora Aponísia dos Reis fez um desabafo em plenário. “Quero reclamar do posicionamento de alguns jornais em Manhuaçu que fazem falsas afirmações a meu respeito. Também, na internet, no Facebook, colocaram uma foto falsa do matadouro, acusando-nos de legislar em causa própria. Disseram que eu estaria perseguindo funcionários da Prefeitura. É mentira. Isto é safadeza e falta de respeito. A comunidade gosta muito de mim e sei de meu compromisso com a população. Se querem insinuar qualquer coisa, que provem, que apresentem algo verdadeiro e não somente calúnias e difamações”, argumentou a Vereadora. 
 
Palavra do Presidente
 
Após ouvir todos os vereadores, o Presidente Maurício Júnior se pronunciou. “Temos constatado algumas situações preocupantes no município. A condição das estradas é lastimável. É inadmissível. O período de safra está chegando e o escoamento da produção poderá ficar comprometido. Também solicitamos mais segurança no meio rural. Sabemos que nesta época do ano, existe maior circulação de dinheiro nas comunidades, por causa da colheita, e, com isto, aumenta-se o risco de assaltos. Ainda hoje nos reuniremos com o Comando do 11º BPM para buscarmos soluções, tanto para a cidade quanto para os distritos”, destacou.
 
Outra abordagem do Presidente foi quanto ao posicionamento diferenciado de uma entidade de classe para com Manhuaçu em relação às cidades vizinhas. “O Sindicato tem cobrado o cumprimento da Lei Federal relacionada ao reajuste de professores nos municípios vizinhos, inclusive despachando ofícios às prefeituras. Mas, em Manhuaçu não foi assim. Nós vereadores, atendemos às reivindicações do sindicato com boa vontade quanto ao acolhimento do Veto recentemente encaminhado pelo Executivo Municipal sobre esta questão. Gostaríamos muito que os professores e o sindicato cobrassem do prefeito o atendimento desta Lei Federal”, pontuou. 
 
Maurício Júnior comentou sobre a situação precária da avenida principal do B. São Francisco de Assis que, a cada dia, fica mais comprometida em razão da quebra de barranco em uma das laterais, afetando o trânsito de veículos e a segurança de pedestres. “A primeira indicação que fiz nesta legislatura foi a solicitação da construção de muro no B. São Francisco de Assis. Mas até hoje nada foi feito. A situação no local está caótica. Os moradores cobram, inclusive na imprensa, e nada foi feito”, afirmou. 
 
O Presidente fez indagações sobre a obra do Campus do IFET (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia) em Manhuaçu. “A escritura de doação do terreno do IFET foi registrada em Cartório? Quanto o município gastará com a infraestrutura para o IFET? É verdade que no local existem cabeamentos de alta tensão que podem causar o embargo da obra?”, questionou.
 
Outro questionamento foi quanto à LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) que ainda não foi enviada pelo Executivo Municipal à Câmara para análise e votação. “O Prefeito ainda não encaminhou a LDO. Conforme a legislação, o prazo expirou dia 15 de Abril. Daqui a alguns dias, o Executivo encaminhará o Projeto alegando ser matéria urgente para votação. Então, novamente, teremos que votar como se estivéssemos com uma faca no pescoço: ou vota-se ou o município fica prejudicado. Não queremos isto. Encaminharemos ofício cobrando formalmente esta situação”, anunciou. 
Maurício Júnior também pediu atenção para os atletas do bicicross, “O pessoal do bicicross continua precisando se deslocar até Manhumirim para participar de eventos esportivos, correndo riscos diversos. É preciso que algo seja feito, para que a cidade tenha uma boa estrutura para o esporte”, finalizou.
 
No mesmo dia, na parte da tarde, os vereadores reuniram-se com o Comandante do 11º BPM, Tem. Cel. Wanderson Santiago, e com o Comandante da 72ª Cia. PM, Cap. Schuab, para a busca por soluções para a segurança pública.
 
(Assessoria de Comunicação)













}