OAB Manhuaçu apoia participação de reeducandos no ENCCEJA



 

Tamanho da fonte    




A Diretoria da 54ª Subseção da OAB/MG forneceu material de estudo a 16 reeducandos da unidade prisional de Manhuaçu para que participassem do Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos (ENCCEJA), que ocorreu no último dia 14 de maio.

O ENCCEJA é uma avaliação voluntária e gratuita ofertada às pessoas acima de 15 anos, inclusive as privadas de liberdade, que não tiveram a oportunidade de concluir os estudos em idade apropriada e tem o objetivo de aferir competências, habilidades e conhecimentos adquiridos tanto no processo escolar quanto no extraescolar. A aprovação dos candidatos no ENCCEJA possibilita a obtenção do certificado de conclusão do ensino fundamental.

De acordo com o presidente da 54ª Subseção da OAB/MG, Alex Barbosa de Matos, “a OAB Manhuaçu, nestes mais de 80 anos de existência, tem história de luta não só em defesa dos advogados, mas também de proteção da sociedade. Fazemos arte de uma instituição forte, respeitada, que sempre esteve ao lado das demandas sérias desse país, das demandas que visam atender os anseios dos brasileiros”, ponderou.
Presidente da OAB Manhuaçu, Alex Barbosa de Matos, doou as apostilas para que os reeducandos pudessem ter acesso ao material a ser estudado (foto: Assessoria OAB Manhuaçu)
Alex comentou ainda o orgulho de poder contribuir com a participação dos reeducandos na formação educacional. “Estamos orgulhosos em contribuir com esta etapa do ENCCEJA, permitindo que os 16 reeducandos inscritos estudassem visando a conclusão do ensino fundamental, que é uma das garantias fundamentais previstas na Constituição Federal, em respeito ao princípio da dignidade da pessoa humana. Asseguro a todos que a nossa gestão fará sempre o necessário para que a OAB cumpra o seu papel social”.

A presidente da Comissão de Assuntos Penitenciários da 54ª Subseção da OAB/MG, Fernanda Cristina Elias, agradeceu o apoio do presidente da OAB Manhuaçu, Alex Barbosa de Matos, que doou as apostilas para que os reeducandos pudessem ter acesso ao material a ser estudado.

A advogada agradeceu ainda ao Colégio Anglo por ter emprestado as carteiras para permitir que os candidatos fizessem as provas com mais comodidade. Ela também lembrou o empenho dos agentes penitenciários que propiciaram mais segurança para a aplicação das provas. “Agradecimento especial ao agente penitenciário Marcos Lucas Prata, que foi o coordenador pedagógico destes 16 reeducandos. Ele está empenhado em busca do sucesso na aplicação e resultado das provas, razão pela qual externamos nossos mais sinceros agradecimentos pelo excelente desempenho”, concluiu.

Assessoria OAB Manhuaçu














}