Pacientes sofrem com falta de ortopedistas na UPA Manhuaçu



 

Tamanho da fonte    




“As enfermeiras atendem direitinho, mas não tem ortopedista. A gente fica com o parente sofrendo dores e ‘mofando’ aqui, enquanto espera por transferência para algum hospital para ter atendimento especializado”, relatou a esposa de um paciente que está há nove dias na UPA de Manhuaçu, aguardando transferência para cirurgia nos braços e na perna. O exemplo acima citado é um dos vários casos de pessoas que sofrem com a falta de médico ortopedista na Unidade de Pronto Atendimento e com o longo tempo na fila de espera para ter acesso ao atendimento especializado em hospitais.
 
Outro caso envolvendo sofrimento semelhante na UPA é o de um adolescente de quatorze anos que, após cair de árvore enquanto brincava, quebrou o fêmur e agora está há vários dias internado na unidade sem o devido acompanhamento de ortopedista. “Eles não sabem responder se haverá o atendimento médico, quando ocorrerá e se há vaga no hospital, e que é para eu arranjar outros recursos porque aqui não tem jeito. Meu filho caiu da árvore e esmagou o fêmur. Está horrível. Ele sente muitas dores e não tem como dar banho nele direito, tem que ser em cima da cama, com um pano. Ele fica chorando a todo instante. Vamos ter que tirá-lo daqui e levar para Carangola, para atendimento particular”, relatou a mãe do adolescente, Claudinéia Aparecida da Costa.
 
Residente no distrito de Palmeiras do Manhuaçu, a senhora Lúcia Gomes Machado relatou que o esposo Geraldo ajudava a tirar o telhado da igreja, em mutirão, quando, de repente, caiu. Com a queda, eletrincou o fêmur e quebrou os dois braços. “Ele está aqui na UPA desde o último dia sete. A gente conversa com um e com outro, mas o médico ortopedista não passa (no quarto). Estou cansada de esperar sem que nada se resolva. Tenho uma filha que está nos dias de dar a luz e eu preciso auxiliá-la também. Os médicos ortopedistas são pagos para vir aqui e atender os pacientes, mas eles não veem. Eles não querem trabalhar. Parece que querem que nós paguemos do bolso, nas clínicas particulares. Ou seja, eles recebem do SUS e querem ganhar do bolso da gente. Assim, ficamos jogados, ‘de molho’, ‘apodrecendo’ aqui, somente aos cuidados das enfermeiras – que nos atendem com carinho e educação-. Elogiamos as enfermeiras, mas aos médicos não, porque eles nos deixam jogados mesmo, definitivamente”, desabafou.
 
Na tarde desta quinta-feira, 16/10, o Presidente da Câmara, Vereador Maurício de Oliveira Júnior, esteve na UPA/ Manhuaçu para conversar com pacientes e funcionários do setor sobre esta dificuldade de atendimento. Em contato direto com as pessoas ali atendidas, Maurício Júnior ouviu pacientes e seus familiares, e, estes, reclamaram de forma praticamente unânime quanto à falta de médicos ortopedistas, para uma devida orientação e até mesmo para uma condução mais eficaz do tratamento, possibilitando a cura com menos dor e de modo mais rápido. “Nós reconhecemos o comprometimento e o zelo dos enfermeiros e demais profissionais que trabalham aqui, na UPA, mas verificamos que a estrutura está muito aquém da demanda. Nesta visita, olhamos diversas situações, mas, em especial, aos pacientes que necessitam de acompanhamento de médico ortopedista. Não são raras as denúncias, as reclamações de que pacientes ficam na UPA, por dez, quinze dias, ou até mais, aguardando atendimento de ortopedista. Para se ter uma ideia, hoje, temos praticamente dez pacientes aguardando este médico especialista, mas ele não vem ver os pacientes que estão aqui, à espera de um leito no hospital. Feita esta visita a UPA, estou me dirigindo à Secretaria M. de Saúde, para saber com o secretário o porquê desta situação e quais providências serão tomadas. Estou aqui para colaborar e buscar um atendimento digno para a saúde do povo, para todos. Não estou aqui olhando caso específico de um ou outro, mas verificando a situação de todos, porque o povo está padecendo, está sofrendo, e providências precisam ser tomadas. Algo precisa ser feito. Como vereador, estamos cobrando, para fazer acontecer”, afirmou Maurício Júnior. 
(foto: Assessoria de Comunicação)
 
Assessoria de Comunicação