Polícia Civil descarta ação criminosa no show de Wesley Safadão



 

Tamanho da fonte    




O caso envolvendo os quatro indivíduos presos na noite dessa quarta-feira, 09/10, na entrada do Parque de Exposições, com uma arma de fogo e armas de pressão está sendo investigado pela Polícia Civil.
 
De acordo com o Delgado, Dr. Carlos Roberto de Souza, pelo que foi levantado, não há qualquer indício ou evidência de que o grupo praticaria algum crime.
 
“Podemos afirmar que o que aconteceu se restringiu a uma conduta de um segurança de portar irregularmente arma de fogo”, explica. Segundo ele, “a arma portada, mesmo com o registro, no caso deste cidadão que foi preso, conduzido, autuado em flagrante, e liberado diante fiança, essa conduta é crime”, destaca.
 
Dr. Carlos Roberto conta que o grupo informou que pretendia trabalhar como segurança para um pequeno grupo. “A gente não pode afirmar ainda qual é esse grupo, mas para fins penais isso acaba sendo irrelevante”, explica.
 
As demais armas encontradas são de pressão, conhecidas como airsoft que são usadas para esporte. “Essas armas foram recolhidas e a arma de fogo também foi apreendida. Mas a ocorrência se restringiu a isso, não há qualquer intenção identificada de que aquele grupo praticaria qualquer outro crime”, finaliza.
 
Resumo dos fatos envolvendo seguranças durante o show do cantor Wesley Safadão em Manhuaçu:
 
1. Não houve qualquer tentativa de sequestro do Cantor “Wesley Safadão” em Manhuaçu.
 
2. Um grupo de seguranças “freelance” (diverso dos segurancas que estavam realizando a segurança do evento) foi abordado pela PMMG e com um integrante do grupo havia uma arma de fogo de calibre permitido, que mesmo com registro não poderia estar sendo portada.
 
3. As demais armas eram de pressão por mola para prática de airsoft, sendo irregular seu transporte sem a nota fiscal.
 
4. Um dos integrantes do grupo de seguranças foi conduzido a Delegacia, preso em flagrante por práticas da conduta crime de porte de arma de fogo de calibre permitido, pagou a fiança arbitrada e vai responder o processo em liberdade.
 
Qualquer outra informação a respeito do caso é falsa.
 
Carlos Souza – Delegado de Polícia Civil Chefe Regional em Manhuaçu
 
Tribuna do Leste













}