População cobra melhorias no policiamento em Manhuaçu durante audiência pública



 

Tamanho da fonte    




Trabalho integrado entre os órgãos de segurança pública, monitoramento por câmeras de vídeo e criação de uma guarda civil municipal foram medidas apontadas como possíveis soluções para combater o crime organizado em Manhuaçu e região, durante reunião das Comissões de Segurança Pública e de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizada no município da Zona da Mata nesta sexta-feira (15/9/17).
 
A reunião foi motivada pelo assalto a duas agências bancárias na cidade vizinha de Santa Margarida, que terminou com o assassinato do cabo Marcos Marques da Silva e do segurança bancário Leonardo Mendes, em julho.
 
Um dos autores do requerimento para realização da audiência e presidente da comissão, o deputado Sargento Rodrigues (PDT) explicou a atuação da quadrilha de assaltantes de bancos. "A modalidade está sendo chamada de "novo cangaço". Eles invadem municípios pequenos de madrugada e rendem os policiais do quartel enquanto o restante do bando vai para a agência bancária", exemplificou.
 
O parlamentar também lamentou a ausência de represantes do Ministério Público e do Poder Judiciário na reunião. "O promotor de Justiça precisa se fazer mais presente para nos ajudar. Lá em Santa Margarida foi feito um pedido de escuta de forma antecipada e não foi concedido. As mortes poderiam ter sido evitadas", afirmou.
 
Também autor do requerimento, o deputado João Leite (PSDB) defendeu a integração entre as polícias. Ele lembrou que Manhuaçu tem a particularidade de ter duas rodovias federais, além de estar uma região produtora de café. "O município é muito visado por estar entre as BRs 262 e 381, que facilitam fugas. Dessa forma, o diálogo entre as Polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária deve ser total", disse.
 
O presidente da Comissão de Administração Pública e também autor do requerimento para a reunião, deputado João Magalhães (PMDB), lembrou que a segurança pública é a maior preocupação da população, mas as dificuldades financeiras do Estado impedem uma atuação mais rápida e enérgica do governo.
 
PM direciona novos policiais para a região
 
À frente da 12ª Região da Polícia Militar em Ipatinga, o coronel Edvânio Carneiro disse que, desde 2012, 306 novos policiais foram direcionados para a região. Segundo ele, o reforço no efetivou priorizou os municípios menores. "No concurso a ser aberto neste ano, com formação em maio do ano que vem, 210 novos policiais serão mais uma vez direcionados para as pequenas cidades", anunciou.
 
O comandante também garantiu que serão adquiridas novas viaturas e munição para a PM. Para reforçar o policiamento na zona rural, ele disse que a PM estuda a criação de uma patrulha rural em conjunto com a Polícia de Meio Ambiente.
 
Para que a atuação da polícia seja mais efetiva, o coronel defendeu mudanças na legislação penal. "Os criminosos atuam de forma reiterada e o juiz que os libera está apenas aplicando a lei. Temos de repensar o conceito de reincidência penal", afirmou. Segundo o delegado regional de Manhuaçu, Carlos Roberto Souza da Silva, em breve serão nomeados 116 investigadores da Polícia Civil e no próximo mês deve ser aberto um novo concurso público para delegado. "Ainda assim, antes de julho do ano que vem não teremos novos delegados nem escrivães", contrapôs.
 
Ele explicou que o foco atual da Polícia Civil é a criação de uma força-tarefa de inteligência para combater o roubo a bancos, com o objetivo de desmantelar financeiramente as quadrilhas. "A atuação dos bandidos será severamente prejudicada sem dinheiro", complementou.
 
O delegado anunciou, ainda, a previsão de liberação de recursos da ordem de R$ 180 mil a partir de outubro, para a implantação do sistema de monitoramento por câmeras Olho Vivo em Santa Margarida e São Domingos.
 
Falta de estrutura das polícias preocupa a população
 
Moradores, lideranças e representantes das polícias reclamaram do baixo efetivo do município, do uso de munições e coletes vencidos, da falta de manutenção das viaturas e de vigilância noturna. "O que aconteceu em Santa Margarida pode acontecer aqui", alertou o presidente da Câmara Municipal de Manhuaçu, Jorge Augusto Pereira.
 
Já o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Manhuaçu, Alex Barbosa de Matos, informou que as lideranças da região estudam a criação de um consórcio intermunicipal de segurança pública para viabilizar um sistema de monitoramento por câmeras.
 
A prefeita de Manhuaçu, Maria Aparecida Magalhães Bifano, reforçou a vulnerabilidade dos moradores da zona rural. "Está bem encaminhada uma parceria público-privada para a instalação de câmeras de monitoramento. E em breve teremos nossa guarda civil municipal, além da nossa guarda de trânsito", relatou.
 
ALMG / Fotos: Ricardo Barbosa/ALMG













}