Prefeitura de Manhuaçu desapropria terreno para o IFET



 

Tamanho da fonte    




A “novela terreno do IFET” caminha para um final feliz e seus últimos capítulos foram de sucesso para Manhuaçu. Depois de mais de três anos de extremo descaso com um gigantesco investimento, a nova Administração com apenas 43 dias deu um passo importante para a aquisição do terreno para a construção do IFET – Instituto Federal de Educação e Tecnologia, outras três grandes obras que irão impulsionar ainda mais a economia do município. A amplitude do terreno possibilitará também a construção de outras três grandes obras.

O IFET foi liberado para Manhuaçu há alguns anos e sua construção poderia estar sendo executada se não fosse um maior empenho do Governo anterior em disponibilizar a área para o empreendimento.

Em 2012 e até mesmo neste ano, diversos terrenos foram oferecidos, porém, nenhuma das negociações obteve sucesso.

O Prefeito Nailton Heringer chegou ao Poder Executivo do município e colocou como primeiro objetivo de seu governo a conquista de um terreno para a instalação do IFET. O risco de perder este investimento cresceu. Cidades da região se interessaram em adquirir os direitos do instituto, mas durante a viagem a Brasília, o Prefeito Nailton Heringer se reuniu com representantes do Ministério da Educação que concederam mais algumas semanas para que o município apresentasse a documentação do terreno.

Terreno adquirido

Nas últimas semanas as negociações foram intensas e o terreno para a construção do IFET foi desapropriado. O Ministério da Educação solicitou uma área com no mínimo 20.000m² para a construção de nove prédios de ensino, sendo que neste primeiro momento serão utilizados 8.000m².

A área adquirida pela Prefeitura de Manhuaçu fica localizada em Realeza, distrito de Manhuaçu, às margens da Rodovia BR 262. Ela consiste em quase 1 milhão de m². Foram doados para a construção do IFET exatos 100.000m², oito vezes maior do que o solicitado. Segundo o Prefeito Nailton Heringer foi doado um terreno muito maior porque não se quer limitar a expansão da instituição, podendo assim também se investir em áreas verdes e estacionamentos. “Estamos doando este terreno para que o IFET possa crescer. Da forma que estava sendo conduzido, não teríamos espaço suficiente. Precisamos pensar no futuro, pensar que mais tarde podemos ter uma universidade federal em nossa cidade” – declarou o prefeito.

A história dos terrenos doados

Desde o ano passado e até mesmo este ano, surgiram diversas histórias de que terrenos foram doados para a construção do IFET. Alguns empresários procuraram a Prefeitura, porém nenhum dos terrenos tinha a metragem mínima solicitada pelo Ministério da Educação, o que inviabilizaria toda a estrutura.

Vista parcial da área que está sendo adquirida (foto: Assessoria de Imprensa)

Com o pensamento de sempre crescer, adquirir até mesmo um terreno com a metragem mínima, seria um pensamento muito pequeno para uma estrutura muito grande. “Nenhum terreno foi doado para a Prefeitura, porque se tivesse sido doado é obvio que já teria sido construído. Nossa administração não tem nenhuma informação de terreno que foi doado”, exclamou Heringer.

Porque em Realeza e não na cidade

Cerca de 20 terrenos foram analisados antes da confirmação desta área no Km 49 da BR 262, mas de acordo com informações da equipe que realizou este trabalho, nenhuma possibilidade melhor que esta foi encontrada, devido ao tamanho, facilidade do fluxo de trânsito e até mesmo questões geográficas da área, que favorecem a construção de diversas outras obras.

A escolha do Distrito de Realeza tem como principal motivo ser um local de extrema facilidade de acesso, sem ruas estreitas e trânsito complicado. O distrito também se encontra em uma área central da região, o que irá beneficiar a todos, não só a população residente naquele local.

O pensamento da atual administração não é só no presente, mas principalmente no futuro. Em alguns anos o constante desenvolvimento e o crescimento demográfico fará que os cerca de 10 km de distância que separam Manhuaçu de Realeza sejam muito menores.

A descentralização também entra como fator chave da escolha deste terreno. Hoje, Manhuaçu já enfrenta em toda a cidade dificuldades no trânsito e a instalação de um IFET na área central somente ampliaria este problema. A liberação do Instituto para Realeza fará com que aquela região seja valorizada e impulsione a construção civil, o que trará cada vez mais desenvolvimento para o município.

Como funcionará o IFET

Os institutos federais de educação, ciência e tecnologia são instituições de educação superior, básica e profissional, contendo diversos cursos de áreas diferentes, especializados na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos às suas práticas pedagógicas.

Segundo informações passadas pela engenharia responsável pela instalação do IFET em Manhuaçu, o instituto abrigará cerca de quatro mil estudantes em apenas quatro anos de funcionamento.

O instituto deverá ter forte inserção na área de pesquisa e extensão, visando estimular o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas e estendendo seus benefícios à comunidade. Metade das vagas será destinada à oferta de cursos técnicos de nível médio, em especial cursos de currículo integrado.

Na educação superior, o destaque fica para os cursos superiores de tecnologia de engenharias e de licenciaturas em ciências física, química, matemática e biologia. Ainda serão incentivadas as licenciaturas de conteúdos específicos da educação profissional e tecnológica, como a formação de professores de mecânica, eletricidade e informática.

Outros projetos

O município de Manhuaçu é carente em diversas áreas e este espaço adquirido será utilizado para implantação de outros projetos que beneficiarão não só a economia, mas como a vida social da população.

O sonho de um hospital regional em Manhuaçu já tem uma visão mais real na Administração de Nailton Heringer. O grande problema de conseguir local para esta obra já está solucionado, os próximos passos são a longo prazo, porém estão dentro do plano de execução do Governo atual.

Com as dificuldades e problemas de estrutura no Parque de Exposições da Ponte da Aldeia, a criação de um centro de convenções em nossa cidade, para que os eventos sejam mais organizadas e seguras como pede a população, está nos planos do prefeito. A construção deste espaço visa facilitar o acesso, viabilizar estacionamentos, áreas próprias para a realização de grandes eventos.

Outra grande obra que beneficiará a população daquela região é a construção de uma creche-escola, que facilitará a vida de muitas crianças de Realeza e Manhuaçuzinho. Além disso, a construção deste ambiente ampliará as condições de educação, já que a estrutura será totalmente adequada para este trabalho.

Com a vasta área adquirida outros projetos poderão ser abrigados no local, sanando a grande carência da Prefeitura em oferecer terrenos para os empreendimentos de interesse do município.

Secretaria de Comunicação Social de Manhuaçu














}