Prefeitura de Manhuaçu organiza ações para enfrentamento da Febre Amarela



 

Tamanho da fonte    




O avanço do número de casos e mortes suspeitos e prováveis de febre amarela em Minas Gerais – já são 152 notificações e 47 óbitos investigados – levou autoridades de Manhuaçu a reforçar medidas para combater o surto e tentar salvar vidas. Nesta terça-feira, 17/01, a Prefeita Cici Magalhães coordenou reunião com a presença de diversos segmentos envolvidos com o tema para criar um comitê gestor de Combate à Febre Amarela em Manhuaçu.
 
A reunião teve a presença da Subsecretaria Estadual de Inovação e Logística em Saúde, Adriana Araújo Ramos, do diretor da Gerência Regional de Saúde Ronaldo Lopes Corrêa, vice-prefeito Renato Cezar Von Randow, Provedor do Hospital César Leite, secretários municipais, representantes da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Vigilância Ambiental e Ministério Público.
 
Na abertura da reunião, a prefeita Cici Magalhães falou da preocupação com a alta letalidade da doença, da baixa imunização no estado (menos da metade da população antes do surto) e da necessidade de prosseguir com a vacinação em massa. Ela anunciou que entre esta terça e quarta-feira, a cidade receberá 30.000 doses da vacina.
 
“É importante tranquilizarmos a população de Manhuaçu que estamos trabalhando dia e noite e buscando todas as formas de atender a demanda da cidade e da região. Neste momento temos que viabilizar as vacinas para a população, mas também estamos atuando na prevenção e no combate à febre amarela e também a dengue. Esse Comitê Gestor servirá para acompanhar e gerenciar os recursos que estão sendo disponibilizados”, explicou as medidas. 
 
Cici Magalhães ainda informou que as 19 unidades de saúde do município estão atuando e recebendo mais vacinas agora. “Conseguimos a liberação mais 20 mil doses, que somadas às 10 mil doses de vacina que chegaram nesta terça, darão condições de atender a toda a procura nas unidades de saúde de Manhuaçu de imediato. Estamos pleiteando mais vacinas até o final de semana”, informou.
 
Sobre a vacinação, a Secretária de Saúde de Manhuaçu, Karina Gama, explicou que a vacina está sendo disponibilizada num quantitativo que irá atender a toda a população que precisa ser vacinada. “Estive na Secretaria de Estado, a pedido da Prefeita Cici Magalhães, solicitando que nossa cidade fosse priorizada. Vamos proceder conforme os cartões de vacina e orientações para atender a todos”, garantiu.
 
Ainda segundo a secretária, não há necessidade das pessoas irem para os postos de saúde durante a noite. “Toda a nossa demanda será atendida e isso foi garantido pelo Secretário de Estado de Saúde a nossa prefeita. Então podem ficar tranquilos que todos serão vacinados. As pessoas não precisam passar a noite em fila”. 
 
Ela ainda informou que, se for preciso, haverá vacinação no final de semana, desde que o Estado disponibilize vacinas suficientes. “A população vai ser informada sobre isso.Estamos dividindo as quantidades para todas as unidades de saúde, mas naturalmente temos que priorizar a zona rural que é o foco do problema. Agora, com maior quantitativo de vacinas, acredito que isso terá maior fluidez”. 
 
Cobertura
 
O diretor da GRS, Ronaldo Lopes Corrêa, informou que a distribuição de vacinas está seguindo a proporção do número de habitantes e vem sendo feita de acordo com a liberação pelo Ministério da Saúde.
 
Na área da regional de Manhumirim, há vários municípios afetados pelo surto e alguns – como Ipanema e Conceição de Ipanema – com casos de óbitos. “A meta é conseguir vacinar toda a população que precisa ser vacinada dentro desse cronograma do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado nos municípios da área de risco desse surto”.
 
A Subsecretária de Inovação e Logística em Saúde, Adriana Araújo Ramos, também reforçou que a demanda de Manhuaçu será atendida. “Além das 30.000 vacinas, estamos ampliando a cobertura e solicitamos ao Ministério de Saúde mais 300 mil doses para a região toda”, reforçou.
 
Adriana Araújo ainda pontuou que a SES-MG liberou recursos para a Prefeitura e o Hospital César Leite a fim de garantir leitos exclusivos para o tratamento dos pacientes.
 
Desde que se notificou os primeiros casos de suspeita de febre amarela, o Hospital César Leite busca abrir mais 12 leitos exclusivos para tratamento da enfermidade.
 
“Tomamos decisões para promover condições de receber esses pacientes de toda a região. Tivemos três óbitos de pacientes que vieram de Ipanema e colocamos leitos à disposição para atender esse momento de surto. Eu digo que estamos montando uma operação de guerra para combater esse mal”, contou o provedor do HCL, Sebastião Onofre Carvalho. 
 
Orientações
 
Sobre a vacinação e o tratamento da doença, o médico infectologista doHospital César Leite, Dr. Thiago Pires Heringer, participou da reunião e explicou que a vacina da febre amarela é uma vacina muito segura e potente, mas é produzida com o vírus vivo e abrandado / atenuado.  “Por conta dessa característica, ela não pode ser utilizada por todo mundo. Alguns grupos populacionais têm que ter certo cuidado. Em regra geral, não devem receber a vacina: as grávidas, crianças menores de nove meses, pessoas com mais de 60 anos, pacientes com imunidade comprometida – como AIDS ou quem está em tratamento de câncer (quimioterapia)”.
 
O médico explicou que o HCL está seguindo o protocolo de atendimento e faz palestras e orientações para os profissionais de saúde sobre os procedimentos nesse momento de surto.
 
De acordo com o Ministério da Saúde no Brasil, é recomendada a vacinação das crianças aos nove meses e aos quatro anos. “Depois disso, recomenda-se a vacinação a cada dez anos como reforço. 
 
É uma vacina tão potente que uma dose é suficiente para fazer imunidade. Apesar da exigência do Ministério da Saúde, uma dose tem eficiência comprovada em estudos e a população não deve se alarmar”, completou.
 
Assessoria de Comunicação
 
Envie notícias, fotos e vídeos para o nosso WhatsApp (33) 99906-5656













}