Principal ponto de captação de água de Manhuaçu está secando



 

Tamanho da fonte    




Todos os dias os noticiários trazem alerta para a situação da escassez de água em diversas regiões do país. E a notícia que ilustra os telejornais e estampam as páginas de jornal e revistas é uma preocupação do SAAE e do Governo de Manhuaçu. A principal fonte de captação de água da cidade, a barragem do Manhuaçuzinho, está operando com pelo menos trinta centímetros abaixo do vertedouro. Isso significa que se o consumo e o desperdício de água continuarem no mesmo ritmo, associado à falta de chuva e às fortes temperaturas, em no máximo duas semanas, o volume de água captado não vai garantir o abastecimento da cidade.
 
Com o vertedouro da barragem abaixo do nível, o rio que tem o mesmo nome secou e a fauna e flora começam a sentir o efeito da estiagem. De acordo com o diretor do SAAE, José Aguiar, se não houver um grande volume de chuva, nos próximos dias, a situação só tende a piorar. Segundo ele, se a população, empresas, comércios e indústrias, não promoverem uma mudança radical na maneira de utilizar a água tratada, as torneiras podem secar. Hábitos simples, como não lavar calçadas e carros, por exemplo, podem fazer a diferença e garantir água por um tempo maior nas torneiras, mesmo assim não elimina o risco de racionamento, rodizio ou mesmo a falta. Mediante a essa situação, SAAE e Governo estudam a possibilidade de decretar situação de emergência e criar leis que punam o desperdício e incentive ações que levem ao aproveitamento e bom uso da água.
 
A primeira ação foi à interrupção do fornecimento no período da noite. Os bairros afetados serão: parte baixa do Bairro Pinheiro, ruas Teócrito Pinheiro, Francisco Fialho, Etelvino Guimarães, Wilson Souza Santos, e bairros Bom Pastor, Alfasul, Santana, Pouso Alegre, Nossa Senhora Aparecida, São Jorge e Engenho da Serra. 
 
“Esses locais mencionados terão o abastecimento interrompido de 17 até 07h do dia seguinte. Com isso, vamos conseguir administrar essa falta de água e também folgar um pouco o manancial que está muito abaixo da sua capacidade” – afirmou José Alves de Aguiar, diretor do SAAE.
(foto: Secretaria de Comunicação Social de Manhuaçu)
 
Não existe previsão para o encerramento desse processo de economia.
 
Secretaria de Comunicação Social de Manhuaçu













}