Reajuste para servidor público: Professores pedem apoio da Câmara



 

Tamanho da fonte    




Dezenas de professores foram até à Câmara de Vereadores, na manhã desta quinta-feira, 21, durante reunião ordinária, para falar sobre o projeto de lei que concede reajuste aos servidores públicos.

A prefeitura encaminhou o projeto à Câmara para votação, mas os professores ficaram insatisfeitos com o valor do reajuste e durante assembleia realizada pela UNSP nesta quarta-feira, 20, decidiram pedir ajuda aos parlamentares a fim de votar contra a lei, então a Câmara decidiu retirá-lo de pauta para avaliação.

A Presidente da UNSP Manhuaçu, Maria Aparecida, explicou a situação. “Estou representando os servidores públicos e a Andréia, os professores. Viemos para falar sobre o reajuste. Em assembleia, o repasse de 6,2% foi rejeitado. De início foi colocado para cada prefeitura a proposta de 20%, então foi feito um estudo e o prefeito nos chamou, passou a situação e falou que poderia colocar 6,2% mas em assembleia, esse reajuste não foi aceito. Estou na Câmara para ver, conversar e os vereadores nos asseguraram que irão rever esse projeto e vai votar em reunião extraordinária.

Um dos vereadores que defendeu os servidores foi Fernando Lacerda (foto: Geilson Dangelo)Eles estão se empenhando e o que estão tentando é procurar o melhor para o servidor, e o que for certo vai ser cumprido e isso que nós estamos querendo”, detalhou.

“Não é uma atitude da presidente do sindicato, mas é uma atitude que foi acordada em assembléia de não aceitar os 6,2%. Nós vamos montar uma comissão com representante de cada setor, de cada cidade para que a gente retome essa renegociação e que seja votado o mais rápido possível”, acrescentou Maria Aparecida.

O Presidente da Câmara, Maurício Júnior, agradeceu a presença dos professores durante a reunião e se prontificou em ajudar. “A palavra foi pedida pela professora Andréia a fim de falar sobre o aumento salarial. Existe a legislação, o aumento é preciso. A educação é a mais digna das profissões. Sem professor, não há médicos, não há advogados, enfim, a profissão precisa ser prestigiada, precisa ser valorizada. As mudanças têm que acontecer, o prefeito mandou um projeto de lei para reajuste salarial em torno de 6,2%, então os vereadores pediram visto do projeto, mas foi muito em cima da hora. Vamos analisar para que possamos dar um aumento justo cumprindo a lei para os professores, não só para os professores, mas todos os servidores públicos”, concluiu Maurício.

Professores foram contra reajuste de 6,2% (foto: Geilson Dangelo)Um dos vereadores que defendeu os servidores foi Fernando Lacerda. “Troca a administração e o problema é o mesmo, mas agora vamos lutar para resolver esta questão”, salientou.

O vereador Paulo Altino também foi a favor dos professores. “É uma pena que para dar um reajuste do governo, você tem que quase lutar. Precisamos valorizar o servidor público, pois são eles que levam nossa cidade para frente”, contou.

O parlamentar Juninho Linhares mostrou aliado aos profissionais públicos. “Tivemos este projeto encaminhado à Casa, tendo em vista um projeto que poderia ter sido enviado desde janeiro, mas chegou quase em cima da reunião. Verificamos com os vereadores e não achamos viável votar este projeto para não prejudicar os professores e funcionários públicos”, ressaltou.

Geilson Dangelo














}