Rede estourada no Bairro Ponte da Aldeia gera transtorno



 

Tamanho da fonte    




Um cheiro insuportável estava deixando os moradores da Rua Milton Rodrigues, Bairro Ponte da Aldeia desconfortáveis e, até causando mal estar nas pessoas que passavam pelo local. Inúmeras reclamações surgiram e pedidos de providências imediatas, para eliminar o mau cheiro proveniente da rede de esgoto entupida.

Ao verificar a situação, equipes do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) e uma retroescavadeira foram para o local e, ao levantar os possíveis pontos onde poderia estar o problema, o diretor administrativo do SAAE, José Carlos Gomes, juntamente com o diretor da autarquia, Heron de Souza e a equipe detectaram que o vazamento era devido ao entupimento da rede principal, que estava compactada com brita, sacola plástica e outros dejetos.

A reportagem detectou que, as casas foram construídas sobre a rede que dá a sustentação, como se fosse à base do imóvel.  “Essa situação é muito complicada e, acontece muito. Em locais onde deparamos com a rede entupida ou rompida, às vezes o dono do imóvel sequer deixou alguns centímetros fora da rede. É preciso que todos tenham consciência”, detalhou Heron de Souza.

A rede de esgoto passa pela Rua Pe. Afonso Hans, corta a Rua Milton Rodrigues e chega à Rua Primeiro de Maio. São várias residências que utilizam a mesma rede e, moradores acabam dispensando coisas pequenas que imaginam não gerar nenhum problema, mas acabam contribuindo para obstruir a rede e provocar o entupimento.

De acordo com o diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, Heron de Souza o trabalho será feito como medida paliativa, pois uma nova rede será construída para atender toda a demanda das moradias das Ruas PE. Afonso Hans e Milton Rodrigues.

Rua dos Ipês também recebe manilhamento

(foto: Eduardo Satil)

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) também fez a substituição da rede de esgoto, na Rua dos Ipês, Bairro São Francisco de Assis, onde a situação estava precária. Foram trocados cinquenta metros de manilhas por cano Ocre, que possibilita vasão de água de esgoto e, caso de entupimento fica mais fácil para executar o reparo.

Falta de pessoal dificulta o trabalho da autarquia

(foto: Eduardo Satil)

As cobranças por parte da população são muitas e, as dificuldades enfrentadas pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto são inúmeras.

Mesmo assim, a equipe está se desdobrando para atender a demanda de 85 mil habitantes. De acordo com o diretor do SAAE, Heron de Souza, o órgão conta hoje com seis duplas, ou seja, doze pessoas para executar o trabalho que, às vezes demanda vinte quatro horas.

Em vários locais, as redes são de manilhas de barro que não atendem às necessidades, nem a quantidade de moradores concentrados em cada rua. Heron de Souza ressalta que essa situação vem trazendo desgaste e cansaço, para impedir que a autarquia tenha a imagem arranhada diante da população.

Eduardo Satil














}