Secretário de Obras se reúne com moradores do Bairro Bom Jardim; situação de córrego é preocupante



 

Tamanho da fonte    




Para buscar solução para o que está acontecendo no Bairro Bom Jardim e, a participação de todas as pessoas que integram determinada comunidade, o Secretário de Obras, Eduardo Heringer esteve na noite de terça-feira, 26, reunido com os moradores do bairro que vêm sofrendo com a invasão do pequeno córrego que passa no final da Rua Nelcino Dornelas Sette.

Por inúmeras vezes, as famílias já viveram um drama com a forte correnteza invadindo as casas, causando inundações e muito prejuizo. Os moradores contam que o córrego esconde um mistério, um segredo que nunca consegue ser desvendado, mas provoca um verdadeiro "caos", quando chove com intensidade. Os moradores preocupados, não conseguem sequer dormir, pois há dois loteamentos estão sendo implementados e, quando chove a terra desde em abundância e causa do soterramento do leito do córrego.

Na presença do Secretário de Obras, Eduardo Heringer, e dos representantes dos loteamentos, os moradores demonstraram preocupação, indignação com o desrespeito às questões ambientais, além das conseqüências com a chegada do período chuvoso.

O ato inconsequente foi denunciado pelos moradores há bastante tempo, mas nenhuma providência foi tomada à época. O terreno foi mapeado, cortado e terra removida foi sendo movimentada por enxurrada, acabou chegando até ao córrego e entupiu parte da manilha. A terra compactada acaba represando a água quando chove forte e, ainda provoca inundação nas residências da Rua Nelcino Dornelas.

O retrato da catástrofe anunciada

Preocupados com o que estava acontencendo e a inércia do Poder Público, os moradores denunciaram a situação à reportagem, que esteve no local no início do mês de outubro. Os moradores contaram o drama vivido com a cheia do córrego, a quantidade de terra compactada na boca da manilha e nenhuma ação.

A moradora Cleuza de Souza diz que fica assustada, toda vez que chove forte. Segundo ela, a visita do Secretário de Obras, Eduardo Heringer para conversar com os moradores, renasce a esperança de que a obra será feita o mais rápido possível.

Mais uma vez, a moradora aponta a manilha como principal causadora da inundação, pois está pela metade de tanta terra compactada e, nenhum órgão consegue enxergar o risco e o que está sendo feito nas imediações. Outros moradores também destacaram o mesmo problema enfrentado.

O presidente da Associação de Moradores do Bairro Jardim, José Cassimiro espera que algo de bom aconteça após a reunião. Há muito tempo, ele assiste o sofrimento de quem mora na parte baixa do bairro, atingida pelo córrego. "Mas, eu não estou sentindo firmeza, visto que, não foi apresentado para nós algo concreto para efetivar as ações, para a remoção da terra e a construção de uma galeria, para escoá-la a água", destaca o líder comunitário.

O Secretário Municipal de Obras, Eduardo Heringer diz que um estudo técnico será viabilizado para resolver o sério problema, que as famílias enfrentam. Ele também demonstrou preocupação com a chegada da chuva e, a possibilidade de haver inundação.

Em entrevista, Eduardo Heringer ressaltou a importância da participação dos moradores, no sentido de estarem somando, trocando ideias e tendo ação efetiva.

(foto: Eduardo Satil)

Outro entrave encontrado pela prefeitura para a execução da obra chama-se questão ambiental. "Nada pode ser removido sem que o promotor de Justiça, que zela pelo meio ambiente dê aval favorável. Se não tiver licença, certamente o município é penalizado", ressaltou Eduardo Heringer, que estará marcando uma audiência junto à promotoria de justiça do meio ambiente e membros da comunidade para tratar do assunto.

Nos próximos dias, uma nova reunião estará acontecendo para que as informações sejam repassadas à comunidade, dentro de um propósito de que o município estará atento e,ainda sendo o interlocutor junto aos órgãos responsáveis a zelar pelas questões ambientais, que olhem para os moradores que aguardam ansiosamente, a solução para o problema da rede que causa insegurança durante o tempo chuvoso.

Eduardo Satil














}