Servidores do Samal reclamam da prefeitura devido a atraso nos salários



 

Tamanho da fonte    




Representantes dos funcionários do SAMAL estiveram na Câmara de Manhuaçu para saber o motivo dos servidores não terem recebido o pagamento referente ao mês de outubro. Acompanhados do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Municipais (SINTRAM), eles foram informados pelo Presidente Maurício Júnior que o problema é apenas do Governo Municipal. “A Câmara de Manhuaçu já aprovou quatro milhões de suplementação no orçamento, há quinze dias. A prefeitura deveria ter feito o pagamento dos servidores do SAMAL. Não dá para entender como deixam justamente os trabalhadores de menor salário sem pagamento”, declarou.

Nesta quarta-feira, 30, foi feito o pagamento de todos os servidores municipais, contudo os funcionários do SAMAL foram informados que não iriam receber e que não haveria previsão para o dinheiro deles ser liberado. “O Administrador do SAMAL, Welen Mendonça, me informou que não iria pagar por que precisava de uma autorização da Câmara. Tenho vários anos de prefeitura e nunca vi esse negócio de ter que pedir os vereadores para pagar o nosso salário. Nós trabalhamos e temos direito de receber. O dinheiro é do nosso suor”, reclamou Rosane Leite da Silva.

Ela procurou a Câmara de Manhuaçu para questionar o problema. “Eu vim aqui para saber o que estava acontecendo e os vereadores me mostraram que o projeto só chegou hoje. A prefeitura não podia ter feito isso com a gente”. Além de Rosane, a funcionária Eliane Benevides, o assessor jurídico Glauber Carvalho Vidal e o presidente do SINTRAM Jaime Rodrigues Ferreira estiveram na Câmara.
Eliane Benevides também foi incisiva nas críticas. “Eu acho que foi um descaso com a gente. Só o pagamento do SAMAL que não saiu. Nunca teve isso na prefeitura. Deram prioridade para pagar a feira da paz e deixaram os menos favorecidos sem dinheiro. Não sabem que temos filhos para criar, aluguel, água, luz, comida para comprar. Dependemos do nosso salário”, reclamou a servidora.  Para ela, a Feira da Paz é apenas serviço: “Nós vamos à festa é para varrer e limpar banheiro. É uma injustiça deixarem a gente sem receber”.

Ameaças

Na Câmara, os servidores e o sindicato reuniram-se com os vereadores Maurício Júnior (Presidente), Anizio Gonçalves (vice-presidente) e Jorge Augusto, Paulo Altino e Hélio Ferreira. Na reunião, Rosane, Eliane e o sindicato relataram também as ameaças, advertências e suspensões que estão sendo feitas no SAMAL sem qualquer procedimento administrativo.

“Estamos sendo perseguidos. Todo dia tem negócio de advertência e, se a gente não assina, pegam duas testemunhas para assinar. Eu estou aqui, dando entrevista e vim encontrar com os vereadores e já digo, se amanhã ou depois tiver alguma perseguição para cima de mim, já sabem o motivo”, pontuou Eliane.

O Presidente do Sindicato Jaime Rodrigues Ferreira também questionou a Câmara Municipal sobre a história comentada nos últimos dias sobre o atraso do pagamento do SAMAL. “Eu achei interessante que, há vários dias, nas redes sociais, pessoas alheias ao governo municipal já vinham falando que o pagamento não seria realizado. Fico com receio disso. Começa um mês com esse problema. No mês seguinte, atrasa novamente e só vai complicando”, destacou.

Jaime informou que a Câmara de Manhuaçu apresentou o protocolo do projeto de lei nesta quinta-feira. “O pagamento deveria ter sido feito na quarta. Então, em princípio, a Câmara não tem culpa desse atraso. A Administração sabia que tem que pagar os funcionários do SAMAL no final do mês. Estamos acompanhando com apreensão”, afirmou.

(foto: Assessoria de Comunicação)

O presidente do SINTRAM ainda explicou que fez contato com o diretor do SAMAL e ele garantiu que o pagamento seria efetuado nesta sexta-feira.

Sobre as denúncias de perseguição para cima de funcionários, Jaime explicou que o Sindicato já adotou medidas judiciais em favor de servidores do SAMAL. “Temos outros casos que estão sendo acompanhados de perto e podemos ingressar na Justiça para garantir o direito dos servidores”, detalhou.

Última hora

O presidente Maurício Júnior considerou um absurdo quererem colocar a Câmara Municipal em má situação perante os servidores do SAMAL. “Causou estranheza nos vereadores termos funcionários nos procurando e relatando essa história de não terem recebido por causa dos vereadores. É um absurdo uma alegação dessa natureza. A Câmara aprovou, há quinze dias, uma suplementação de quase 4 milhões de reais para a prefeitura no orçamento. Pagaram os servidores, os secretários e até aqui na Câmara os vereadores já receberam, porque justamente a prefeitura deixou os funcionários do SAMAL sem receber?. Não dá para entender o que estão pensando”, lamentou.

Ele ainda detalhou que a Câmara de Vereadores está com a pauta em dia. Na terça-feira, recebemos um projeto de lei para suplementação com vários erros. Comunicamos a prefeitura dos erros e somente nesta quinta, dia 31, às 13 horas, é que enviaram um projeto que, em tese, está correto.  “Será que a prefeitura não sabia que tinha que pagar os funcionários do SAMAL que trabalharam dia após dia na limpeza do município? Sinceramente, é culpa exclusiva da Administração Municipal e do SAMAL esse atraso de pagamento. Na semana do servidor público, é dessa forma que presenteiam os trabalhadores municipais”, finalizou.

(foto: Assessoria de Comunicação)

A Câmara Municipal tem, de acordo com o regimento interno, três dias para convocar reunião e votar qualquer matéria urgente. Segundo o presidente Maurício Júnior, a Administração conhece esses prazos e, mesmo assim, enviou o projeto correto em cima da hora.

Assessoria de Impresa da Câmara














}