Terminal Rodoviário: Abandonado e inseguro para todos



 

Tamanho da fonte    




A falta de iluminação no interior e ao redor  do terminal rodoviário Antônio Xavier, em Manhuaçu, tem sido alvo de reivindicação, discussão entre comerciantes,moradores e aqueles que trabalham na prestação de serviço às empresas de transporte coletivo.

Por inúmeras vezes, o problema já foi mostrado nas páginas de jornais, apontando a dimensão do risco que as pessoas correm, já que o local é frequentado por pessoas estranhas, usuários de entorpecentes e alcóol, que aproveitam da precariedade da iluminação que traz total desconforto e insegurança. Além disso,essas pessoas fazem abordagens a quem passa por ali, pedem dinheiro e alguns mais ousados aproveitam a distração dos transeuntes enquanto conversam e, levam seus pertences.

Os comerciantes estão chegando ao extremo, pois, todos sabem da situação "desastrosa" instalada no local e, infelizmente ninguém faz nada. O desabafo é da comerciante, Eliane Aparecida Alburqueque Ferreira, que trabalha em frente ao terminal rodoviário há vários anos e, a cada dia, percebe que a situação está mais complicada. Ela enumera que a falta de iluminação, segurança e o desleixo são algumas das condições que possibilita a permanência de estranhos, bem como  a ação delituosa.

Segundo ela, todos os postes estão sem iluminação e, no interior do terminal rodoviário apenas sete lâmpadas estão funcionando.A escuridão, deixa aqueles que estão aguardando para o embarque ou desembarque, completamente desprovidos e bastante amedrontados.

Ela relata que na semana passada, ao lado do banheiro feminino, todas as cadeiras estavam ocupadas por andarilhos e pessoas embriagadas. Para surpresa da comerciante, uma andarilha teve a audácia de urinar nas cadeiras, sem nenhum constrangimento. "Depois que sairam, uma funcionária do terminal promoveu a limpeza das cadeiras. Os passageiros não encontram um lugar aconchegante, para aguardar o ônibus e, nós, comerciantes não estamos suportando mais", desabafa Eliane Aparecida Alburqueque.

Outro problema crônico é o local onde o lixo é colocado. Os comerciantes reivindicam que seja feita adequação, a fim de evitar que os andarilhos espalhem por toda a parte (foto: Eduardo Satil)Segundo a comerciante, causa frustração ao assistir cena dessa natureza  sabendo que, por muitas vezes ouve discussão envolvendo vários segmentos,opinando pelo fechamento do terminal rodoviário(limitar a permanência das pessoas no local),para eliminar o problema que se arrasta por longo tempo. Mas, a comerciante ressalta que não vê a necessidade para isso. Ela aponta que se tivesse iluminação, segurança, condição higiênica, os mendigos não ficariam atrapalhando o bom andamento do trabalho. Observa ainda, que há a concentração porque essas pessoas gostam de lugar sujo e, se a rodoviária fosse limpa, segura e com iluminação, notadamente haveria comodidade.

A comerciante Eliane Aparecida Alburqueque Ferreira foi enfática ao reivindicar a iluminação para o local, sugeriu aos representantes do povo para que estejam atentos para o problema, que é vivido por  todos aqueles que trabalham, moram próximos  e por quem ousa passar no entorno da rodoviária.

Ação criminosa aos olhos de todos

Eliane Aparecida conta ainda que, na última segunda-feira, por volta das 14 hs. dentro da rodoviária, alguém subtraiu a bolsa de uma mulher que estava aguardando o ônibus. O autor foi perseguido por pessoas que estavam  nas proximidades, sendo possível identificar que a pessoa todos os dias é vista no entorno da rodoviária. Ela lamenta que, todos sabem e ninguém faz nada. Nos guichês das empresas, a iluminação foi improvisada, enquanto que em outros, os funcionários trabalham com a claridade e dificuldade para realizar o atendimento aos passageiros.

A reportagem ouviu o relato de outros comerciantes que se vêem na condição de vencidos pela audácia dos frequentadores do terminal rodoviário, bastante temerosos com a falta de iluminação e a ação de delinquentes que cresce dia -a -dia. Nossa permanência no local, possibilitou que pudéssemos assistir cenas impróprias, para um local que é frequentado por pessoas de bem. Na mesma noite (quarta-feira), voltamos ao terminal rodoviário para certificarmos da situação quanto ao comportamento dos frequentadores e a situação ao redor.  Cenas repugnantes e prostituição, bem em frente ao local que poderia ser um cartão postal da cidade. E até quando?...

Eduardo Satil














}