Vendedor é encontrado morto; suspeita é presa e picape encontrada no ES



 

Tamanho da fonte    




O corpo do vendedor de Manhuaçu, Geraldo Majela de Souza, que estava desaparecido desde a tarde da sexta feira, 09/12, foi encontrado dentro de uma residência na Rua Esperança, no Bairro Ponte da Aldeia, na manhã de domingo, 11/12.
 
A Polícia Civil prendeu a principal suspeita Natália Hellen Pereira, 22 anos (foto), pois o corpo de Geraldo foi encontrado na casa dela. A prisão aconteceu em um hotel no Distrito de Realeza, em Manhuaçu, onde Natália se hospedou com o nome falso de Naiara.
 
Informações iniciais dão conta de que Natália devia aluguéis à vítima que teria ido até a casa para receber. Natália teria oferecido um copo de cerveja a Geraldo dentro da casa. Diante da aceitação, ela foi até cozinha e voltou com a bebida, porém, envenenada. O corpo de Geraldo ficou dois dias na casa. Um vizinho, desconfiado da movimentação, acionou a PM que localizou o corpo dentro da residência.
 
No momento da prisão, ela teria confessado que matou Geraldo colocando veneno de rato na cerveja e depois o asfixiando com um travesseiro.
 
Na casa dela, os policiais recolheram um vasilhame de cerveja, um travesseiro, uma sacola com veneno para rato, 315 reais em dinheiro e uma folha de cheque no valor de dois mil reais.
 
O inquérito será encerrado no prazo de dez dias, segundo a PC. 
 
Carro localizado
 
Apesar do encontro do corpo de Geraldo, o veículo em que ele estava não foi encontrado próximo à casa. Mas, o veículo S10 de cor Branca, cabine dupla, placa MRC- 9876, de Manhuaçu, foi localizado na madrugada desta segunda-feira, 12/12, em Vila Velha, no Espírito Santo. Inicialmente, a informação que se tem é de que o veículo foi levado para lá pela própria autora do crime.
 
A passagem que utilizou para retornar na noite de sábado para Manhuaçu também foi apreendida. O celular de Geraldo também estava com a jovem.
 
O carro foi apreendido no final da tarde de domingo, por uma equipe da Polícia Civil, que foi até o Espírito Santo com a jovem para que mostrasse o local em que deixou o carro.
 
Defesa de Natália
 
De acordo com o advogado de defesa de Natália, Glauco Murad Macedo, Natália matou por medo, desespero, já que havia contraído uma dívida com a vítima e esta vinha realizando intensa pressão nela a fim de receber o que lhe havia emprestado e que a proposta imoral de Majela foi apenas o motivo final.
 
Manhuacu.com/com informações de Luiz Nascimento - Manhuacunews, PM e PC
 
Envie notícias, fotos e vídeos para o nosso WhatsApp (33) 99906-5656













}